sexta-feira, 8 de novembro de 2013

É esse teu avesso, moreno.



Você e esse teu jeito confuso. Você e teu silêncio. Você e tuas cheganças. Você e tuas partidas. Você e teu avesso... e é esse teu avesso que me encanta!

Seus olhos não escondem toda a história por trás desse rosto e dessa constante expressão de desaprovação do mundo misturada com seu sorriso sádico. A estrada tem sido difícil, moreno. Eu sei bem disso. Toda essa sua solidão e essas suas barreiras me deixam um tanto quanto triste. Eu poderia te mostrar que a felicidade existe e que seria esse o meu sobrenome quando estivéssemos juntos. Ok, isso é brega! Mas há sempre um quê de brega nas coisas mais sinceras. Eu te olho intensamente e com olhos de criança todas as vezes que tento te dizer palavras de confiança. Mas ninguém é tão frágil quanto você, meu bem.

Ela te machucou. Uma frase tão simples, porém com um contexto tão grande quanto a dor que você sente toda vez que se lembra do passado. Você tem se deixado abalar demais. E essa diversão que inebria sua pele é mais por proteção do que por vontade. É aquela velha história de cair no abismo e se machucar mais ainda. Mas existe beleza nessa sua solidão involuntária. E você é excepcionalmente lindo quando acredita em mim com os olhos.

Eu ainda estou aqui porque quero assumir a sua bagunça, quero o risco de cuidar de você, quero tuas palavras não ditas, teu desatino, teus gritos contidos, tuas feridas abertas, tuas mágoas passadas, tuas loucuras presas, teus medos indizíveis, teus enganos, teus movimentos errados, tuas estradas de equívocos, tuas vitórias inocentes, tuas batalhas sofridas. Eu quero o teu avesso... e as suas mãos, em mim.

Aline Spitzer.
Postar um comentário